segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Aahhh esse gosto de brincar com as letras, que se tornam palavras e se entendem em uma oração.

Muro das lamentações

diante do inesperado, expectativas são geradas na espera de uma nova oportunidade, pois dar o primeiro passo na direção da realização é atuar no campo das conquistas.

O rei está nu.

"... Toda perda sempre esconde um ganho. Essa frase é comum, já foi muitas vezes repetida, eu sei. Mas como é importante repetir essas coisas. Por isso volto a dizer, escute as mesmas coisas de sempre, mas de um jeito novo, diferente.
Um dia eu precisei amar a minhda dor. Era o único jeito que tinha de continuar vivendo. Ou aprendia, ou morreria com ela. Resolvi aprender. Desde então, minha dor é minha companheira, minha mestra, minha parceira. Deixou de ser minha inimiga no momento em que eu a olhei nos olhos e aceitei conhecê-la com mais prioridade. Quis entrar nos mistérios de seus mecanismos com o intuito de poder administrar melhor as suas consequências.
Eu não a busco, mas, quando chega, abro as portas para que não force as janelas. Deixo que entre, ofereço-lhe um café, olho nos seus olhos para que cesse o medo e depois me empenho em deixar que fique o tempo necessário, até que se dissolva por si só, pela força do tempo. Quando acolhida, a dor se dissipa aos poucos, e, de maneira incrível e surpreendente, o que parecia ser tão definitivo transforma-se em matéria transitória.
Pode parecer-lhe estranho, mas eu prefiro que ela se acomode na sala. Se eu não permito que ela entra, ela fica batendo na minha janela, dia e noite, impedindo-me o sono.
Eu poderia muito bem ter escolhido lidar com ela a partir de todo o instrumental filosófico que tenho à minha disposiçao. Foram anos e anos ensinando a milenar arte de arquitetar o pensamento, mas descobri que não era o melhor caminho. Filosofar sobre a dor não ameniza o seu poder, ao passo que acolhê-la com simplicidade, isso sim faz sentido..." Abner

Tempo de Esperas, O itinerário de um florescer humano
Pe. Fábio de Melo

sábado, 24 de dezembro de 2011

Preciso aprender a ficar off



*

Oferecer meu ombro amigo quando não é meu momento a resolver os meus fantasmas. E os amigos aceitarem esse ombro. Nunca me roguei a pedir ajuda, pois o máximo que pode acontecer é ouvir um não. E não dói na hora, depois passa. Mas o que me dói mais e sempre é ter dois ombros, duas mãos, duas pernas, um cérebro e muito carinho pra compartilhar. Mas por mais que eu sempre tenha pedido ajuda aos amigos e sempre coloquei o meu auxílio apostos, pouco lembro deles virem pedir. Será por que eles sempre mais esperam eu pedir ajuda do que conseguir dar ajuda?? Pois sempre me sinto melhor ajudando do que sendo ajudada. Pena que nem sempre os que ajudo são esses mesmos amigos que me levantam e me animam e me ouvem e me chacoalham.

Preciso ficar quieta sem atormentar essas pessoas. Ser menos neurótica. Confiar mais em mim. Colocar meu bom senso pra funcionar 24/7. Fazer um diagnóstico mais prático dos fatos e menos emocional.

Fazer dos momentos o melhor deles. Pois tudo passa rápido. A dor se dissipa quando aprendemos a lição, a felicidade dá tchau quando não valorizamos a rotina, a mesmice toma conta e quando damos conta que já é natal e fim de ano e tudo muito igual ainda.

* parte do filme Across the Universe (um dos filmes que eu amo!)

AMIGOS

(Vinícius de Moraes)

"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor.
Eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.

E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências.

A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. É delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure.

E às vezes, quando os procuro, noto que eles não têm noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí.

E me envergonho, porque essa minha prece é em síntese, dirigida ao meu bem estar.
Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer.

Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que não desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!

A gente não faz amigos, reconhece-os."

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Ir além

* Berlin


Permita-se
Permita-se
Permita-se

Não somente a aproximação, mas também o aconchego

Permita-se
Permita-se
Permita-se

Não somente o fogo, mas também a paixão

Permita-se
Permita-se
Permita-se

Não somente cinco minutos, mas toda uma vida

Permita-se
Permita-se
Permita-se

Deixe alguém entrar, você pode gostar!

sábado, 17 de dezembro de 2011

E quando é que agente pára de estragar as coisas?



Trabalho, escola, amigos, família e amor.

No trabalho as coisas andam, pois quem não erra? E é torcer para o seu chefe ser bacana contigo e dar outra(s) chance(s).

A escola um dia acaba e mesmo que não tenha aprendido tudo o que deveria ter aprendido, você passa de ano e volta a revisar as lições dadas no momento oportuno.

Os amigos te entendem e sabe que você vale a pena e não te abandonam. Reconhecem seu esforço e sua relação cresce atraves dos obstáculos, pois eles também erram e também contam com o seu apoio. Uma relação que se conquista.

A família é sempre a família. E mesmo quando você quer um tempo, lá estão eles. Não tem muita escolha... mas hoje eu estou feliz com isso.

Mas já o amor, esse eu já não sei quando é que agente pára de estragar as coisas. Seja porque nós não estamos prontos ou se nos achamos prontos, o outro não está! Ou se falamos algo de errado, dizemos alguma coisa que não deveríamos ou somos o que não queria.

Mas se eu não for eu mesma com o amor, como o amor pode ser ele mesmo comigo?

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

:-)


Não tenho nenhum motivo para não estar feliz... E mesmo que por vezes bata saudade, dúvida ou desânimo... é a felicidade que quero por companhia!
Pois se sinto saudades é porque coisas boas eu vivi,
Se tenho dúvidas é porque me reconheço humana e passível de erros,
E se o desânimo me faz visitas é porque receio pelo que tenho, aprendendo a dar valor ao que me cerca.
Mas hoje eu estou feliz!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011


O céu se abre, a Lua capricha,
O vento sopra, a Chuva arrisca,
As horas passam, o Sono ludibria,
A música toca, os Ouvidos sentem,
A imagem alucina, a Cabeça gira,
Os lençois molham, a Esperança morre.

Mas aí vem alguém com sua chama e acende de novo a vela!!
Mas preciso aprender a manter a chama acesa, pois vai que ninguém aparece??
E é sempre melhor acender a chama do outro não é mesmo?!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Hoje doeu...




Eu sei que é para achar alguém com as mesmas convicções, ou crenças, ou afinidades.
Mas se não me arrebatar o coração, se não me fizer tremer as bases, se não casar nossos corpos... qual a história que posso contar se houver meia paixão ou nenhuma paixão?

E parece que as paixões que me arrebatam não vem para ficar e sim para me desarmar e me mostrar que "sou feita do amor da cabeça aos pés". E por mais que digo a mim mesma que estou firme em meus propósitos, vem alguém e me rouba um beijo que me tira o fôlego e vai embora sem me deixar saber se fiz alguma diferença no seu dia.

E nesses momentos que mais me dói o desejo de ter um amor assim, que acalme meu temperamento estando ao meu lado depois de ter me arrebatado o coração, ter tocado minha alma e ter se encaixado no meu corpo.

Mas qual era mesmo a nossa afinidade???

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Londres


Que ansiedade é essa que me toma todo o corpo, se não a alma, a mente e tudo até meu último suspiro...

domingo, 4 de dezembro de 2011

E de novo falo de ti, sem nem saber o que desejo, mas que apenas desejo.




Minha mente corre,
Meu desejo rasga,
Meus sonhos transbordam.

Minha alma canta,
Meu peito dói,
Meus pés flutuam.

Nada de mim teria se não encontrasse com as ilusões, os desvaneios e as desilusões.
Pouco sobreviveria em mim se não tivesse tido e sentido as incertezas de ontem.
Meus pensamentos te rondam... não o passado que foi, mas os dias que podem ser.
Não posso, não devo, não...
Fui tua tantas vezes... incansáveis vezes pelo dia e pela noite, mas insaciáveis pelos sonhos.

Já te pedi para aperecer por aqui, mas que só fosse se não fosse para me amar.
Já não tenho mais tanta certeza disso.

Meus alicerces balançaram outra vez.
Só não sei explicar por que.

"eu sou louca por você e você sabe.
adoro cada pedaço, cada detalhe, cada espaço.
te quero em cima, embaixo, dentro.
eu sou louca por você e não tem jeito.
não tem passado, não tem dor,
não tem defeito que me mate o amor.
seja como for, eu me perco nessa boca.
porque eu sou louca, louca de morrer.
por você."

do Blog A Menina no Espelho

Não, não estou sofrendo de amor. Pois para sofrer de amor precisa-se primeiro ter um. É a espera por esse amor e dos testes-drives que passam. Não nego que por vezes gostaria que fossem (um ou outro) finalmente o um. Mas não posso deixar de acreditar que a chuva vai passar, o caminho se abrir e os passos se acharem. Guardo pra ti o meu melhor.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Mind the gap, mind the head, mind the step...


Always mind it!

The gap because you don't wanna fall,
The head because you don't wanna lose it,
The step because you wanna know where you are going...



* At Covent Garden

sábado, 26 de novembro de 2011

Despedidas!!

E o que se faz familiar hoje, se tornará estranho amanhã novamente.
E o que era familiar ontem, hoje é estranho.

Sair de casa para voltar pra casa.
Ir embora de onde moro para ir morar onde é casa.

Depois de muitas indas e vindas é hora de ir.
Já se passaram mais de seis anos desde a primeira vez que vim para a Inglaterra. Primeiro um curso de férias... volta ao Brasil para trabalhar. Depois de um ano, vim a Londres passar o fim de semana pois tinha ido a Belfast fazer dois cursos pela empresa que trabalhava. E menos de 3 meses depois estava morando na cidade da Rainha. Desde isso são quase 3 anos morando aqui, com intervalos de visitas ao Brasil.
Um trabalho, duas despedidas e muitos amigos que deixo! Minha felicidade é grande em ter me apresentado quem sou!!
Desta vez volto com fé, com alegria e tristeza, com paixão e com tudo o que amei em Londres. Antes o que mais me atraiu aqui é que eu não tinha um passado, apenas o presente e o futuro a ser construído. Hoje tenho um pequeno passado, um presente e não necessariamente um futuro. Afinal, sempre posso voltar! :-)

Segue fotos das despedidas!!!

A primeira aconteceu no Canecão Brazilian Pub. Estávamos em umas 20 pessoas ou mais! Música brasileira e muita diversão...


A despedida começou assim...


Euzinha! Já tinha chorado um pouco...






Girls!!


Segunda despedida no Blues Kitchen Bar. A banda que tocou não era lá muito boa, mas depois o DJ foi melhor e para a galera Mango Room... baby, não precisa de muito para fazerem a festa!

The dress!!


My managers!! Ali and Anna... LOVE and HATE at the same time!! :-)


My flatmates!!


ME again!


Galera Mango Room Restaurant (onde trabalhei durante este tempo)

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Erro ou Escolha?

E quando é que um erro passa a ser escolha?
Quando acontece uma segunda vez?
Mas aprendi que antes do erro tem aquele momento, aquele milésimo de segundo que tudo pára e a voz da sua consciência te sussurra se é certo ou errado o que está prestes a fazer, a escolher por fazer.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

E quem paga a conta??



Mãe e filha conversam...
- Mas minha filha, você não o ama?
- Sim mamãe, mas não estamos nos entendendo.
- Mas meu bem, todos temos as nossas fases difíceis, todo casal passa por isso.
- Mas mamãe, agente já conversou e agente fala em mudar, mas nada...
- Oh minha querida, a vida não nos dá férias.
- Eu sei mamãe, só queria que as coisas fossem diferentes.
- Então as façam diferentes...
- Não é tão simples assim mamãe!! Não é como trocar de roupa!
- Eu sei meu amor, mas se é você quem quer paz é você quem tem que mudar...
-...
- E o que te prende tanto? Afinal, quem paga as tuas contas???
- Eu!


Pagar as contas...
Fato: sem dinheiro não se faz nada, apenas sonha.
Observação: mas que a conta a ser paga vai além do papel impresso pelo Banco Central, isso vai.
Mas ainda sim, quem vai pagar a conta do coração?!

E se tudo no final das contas o que conta é com quem você está, me foge a idéia dos valores.
Dinheiro é o que mais corre nas nossas mãos. É o que mais se ganha e o que mais se gasta. Enquanto sentimentos são bem mais difíceis de serem conquistados, pois não se ganha ninguém. E quando se gasta é que se percebe que se perde algo que nem mesmo te pertencia. E aí a conta é alta... E ao pedir empréstimo aos amigos. Eles irão te oferecer notas promissórias, que irão demorar a serem sacadas, pois indiferente ao valor a ser pago por essa conta, só sendo cada um por si.

Fato: essa conta não se limita apenas aos amantes, mas se estende aos amigos e familiares.
Observação: e mesmo assim ainda teimamos em não tratar bem os nossos mais próximos.

Coração não é banco, e dói quando sacam o dinheiro...

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Fechado ou Aberto??

Só aquele que se abre é que aprende.
A pessoa fechada não absorve, não adiciona, não dividi.
Diz que não sofre.
Não concordo.
A pessoa fechada só tende a perder.
E perdas também geram sofrimento e dor.
Perder momentos de felicidade plena,
Momentos de aprendizado,
De vivência,
Iluminação.

Já tentei me fechar e doeu muito mais do que todas as dores antes sentidas por ter meu coração aberto.
Amigos, família, conhecidos e mesmo desconhecidos vão me mostrando minhas melhores faces, minhas qualidades e meus defeitos.

Só aquele que tem coração aberto que tem condições de se melhorar.
Só aquele que dividi suas dores que conquista a confiança do outro.
Só aquele que reconhece o seu valor que sabe avaliar o próximo.
E só aprendemos o nosso valor quando nos jogamos ao mundo.

E como sou feliz por ter sempre alguém ao meu lado com quem posso contar.
Há muitas pessoas nesse mundo que mais buscam a indiferença.
Mas há ainda mais pessoas nesse mundo que querem fazer a diferença.
Pode levar um pouco de tempo, mas o mundo muda quando as pessoas nele mudam.
E ninguém tem o poder de acelerar o tempo... e por isso que a construção de uma vida se faz ao longo dos anos.
E é nosso dever não perder a fé, manter nossos corações abertos, retribuir o que há de bom e belo. Não desistir jamais!!

Já escrevi, postei, descrevi sobre meus amigos. Já agradeci, enalteci e amei todos aqui. E quero de novo escrever, postar e descrever. Agradecer, enaltecer e amar todos aqui. (indiferente a ordem, o amor é de todos. Afinal, amor verdadeiro não diminui, se expande!)
Dani, Erico, Gabriel, Cláudia, Fran, Fabrizio, Renato(s), Anna(s), Bianca, Gica, Vlad, Rick, Luana e não quero esquecer de ninguém, mas nesse momento de sentimentos, vai lá meu amor.... mas o poste de hoje é para você:
* minha querida Evertane, obrigada!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

O que são problemas? Quem cria problemas?



"... During the train trade, Clara brought her daughter up to date on the state of the family and her father's health, expecting that Blanca would ask the one question she knew she wanted to ask, but Blanca did not mention Pedro Terceiro García, and Clara was not bold enough to do so herself. She believed that by giving problems a name they tended to manifest themselves, and then it was impossible to ignore them; whereas if they remained in the limbo of unspoken words, they could disappear by themselves, with the passage of time..."

The House Of The Spirits, by Isabel Allende

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

domingo, 13 de novembro de 2011

Por essa vida a fora...

* Erico em Roma!


"Ás vezes é preciso excluir pessoas, apagar lembranças, jogar fora o que machuca, abandonar o que nos faz mal, se libertar de coisas que nos prendem, olhar para frente e enxergar a imensidão de caminhos ao nosso redor, espere sempre o melhor, prepare-se para o pior e aceite o que vier, ouse, arrisque, não desista jamais e saiba valorizar quem te ama, esses sim merecem seu respeito. Quanto ao resto, bom, ninguém nunca precisou de restos para ser FELIZ."


By Erico Maia

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Have a little faith in me

Me and Anna at Wagamama, before wine testing at Vinopolis.


I
appreciate when I surprised people positively.
A little pride that almost doens't fit me and congratulated me greatly.
Yesterday was so ...
Anna, thank you for having a little faith in me.


Aprecio quando surpreendo positivamente as pessoas.
Um orgulho que pouco cabe em mim e muito me felicita.
Ontem foi assim...
Anna, obrigada por ter um pouco de em fé em mim.



domingo, 6 de novembro de 2011

Sabe do que eu não gosto?



De me preocupar com coisas pequenas, das pessoas mais preocupadas com a vida alheia do que em fazer algo de útil com seu tempo livre.
Não gosto de me sentir presa.
Não gosto de ser ansiosa.
Não gosto das pessoas que gosto acabarem saindo do meu dia a dia.

Não queria ter que escolher, aqui ou lá.
Pois não gosto da dor da renúncia, mesmo tendo a felicidade da escolha...

sábado, 5 de novembro de 2011

The right thing

"Nothing matters if it is the right thing to do."

But... what is the right thing to do?
How could you say that is the right thing to be done?
Do you feel it? Or do you know it?

And what if it is for the wrong reason to do the right thing?
Would you do it, anyway?

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

LIBERDADE

*

"A conquista da liberdade é algo que faz tanta poeira, que por medo da bagunça, preferimos, normalmente, optar pela arrumação."

Carlos Drummond de Andrade


Os dedos rolam pelo teclado, como se após uma frase dessas pudesse ser adicionado mais algum comentário... que tolice a minha!!


* Foto Itália, by Francine Prado

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

"(O que se passa na cama é segredo de quem ama.)"

Por vezes que um beijo te toca a alma.
Te tira um pouco de calma.
E você ganha um pouco mais... de alma.


"...Amanhã, nunca mais. Hoje mesmo, quem sabe?
enregela-se o nervo, esvai-se-me o prazer
antes que, deliciosa, a exploração acabe.
..."
E para repousar do amor, vamos à cama
Carlos Drummond de Andrade


Para se falar de amor, de calor e temor, só passando por eles.
Para se falar de sexo, com nexo e muitas vezes complexo, só sentindo cada um deles.

Aquele que ama, fala do que sente.
Aquele que não ama, fala do que lhe falta.
Aquele que desama, fala do que dói.

domingo, 30 de outubro de 2011

Sabe do que eu gosto??


Eu gosto do meu cabelo cacheado, de usar óculos e ter corpo violão.
Eu gosto da minha pele branca, das minhas bochechas rosadas e do meu sorriso rasgado.
Eu gosto de quando me descobrem mulher não pela minha idade, mas pela minha textura, pelas minhas palavras e pelo meu tesão.

Cabelos lisos e lentes, não destacam na multidão.
Já não pareço menina, mas a multidão esconde os detalhes.
E é de perto que se vê as sutilezas de uma mulher.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Aiai viu...



Esperar uma mensagem e recebê-la.
Aguardar um telefonema e atendê-lo.
Trocar olhares e palavras.
Conversar sobre tudo e achar que ainda vamos conquistar o mundo.

Beijar
Beijar
Beijar

Gostar do beijo, casar o beijo, apreciar o beijo.

Beijar
Beijar
Beijar

Ter intimidades preliminares mas sem preconceitos.
Deixar rolar sem neuras.
Gozar de todos os momentos.

Beijar
Beijar
Beijar

Quem sabe se envolver.
Quem sabe se apaixonar.
Quem sabe namorar??

"Pois se apaixonar e ter um relacionamento são coisas completamente diferentes."

terça-feira, 25 de outubro de 2011

O Verbo

Palavra dita reflete no ouvido que absorve a energia e se retrái no coração.

Palavra dita por outrem, nem sempre ouvida por alguém, mas captada pelo observador.

A palavra, o verbo.
Poder de destruição.
Poder de construção.

E tudo acaba sempre na ação.
Mas se você fala, eu acredito!
Pois se eu falo, eu quero que você acredite...

sábado, 22 de outubro de 2011

Casal de 3?

Número ímpar é sempre mais difícil de achar lugar. Vai ver que por isso casal são apenas de duas pessoas. E aí no par nada tende, tudo equipara. Tudo 2(as). Duas pessoas, duas idéias, duas opiniões, dois pontos de vista, dois lados etc etc etc... e aí como resolve? Só jogando papel, pedra tesoura!

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

ESCOLHA



Faça a sua escolha! Você sempre tem uma escolha e todos sempre tem uma preferência, portanto, escolha! Se não, escolherão por você e você nem poderá reclamar. E mesmo que faça a escolha, que chance tem de reclamar, afinal a escolha foi sua, não é mesmo?!

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Só passando...



"Depois de todas as tempestades e naufrágios o que fica de mim e em mim é cada vez mais essencial e verdadeiro."

Caio Fernando Abreu



"Mas volto e volto sempre, então me invades outra vez com o mesmo jogo e embora supondo conhecer as regras, me deixo tomar inteiro"
Caio Fernando Abreu



"Para reinventar-se é preciso pensar; isso aprendi muito cedo"
Lya Luft

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Quem de verdade entende o que se fala?

Tem tanta coisa que eu queria poder entender...
Só não sei se seria o caso de dar mais tempo, de me colocar no lugar das pessoas, de aprender mais sobre as coisas. Hoje isso pesou e chorei...

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Viagem - Férias - Renovação - Término - Reinício

Tudo interligado, mas cada um com seu significado bem definido!

Então... fomos a Berlin, eu e a Luana. Uma amiga em comum nos apresentou e assim nos conhecemos. E sem ela, Berlin teria ficado bem diferente, sem dúvida menos interessante. Devo mais essa para a Dani (nossa amiga em comum), e para a Lu!

A Lu e eu!


Primeira parada: Berlin
Eu moro em Londres há 3 anos. E por sempre procurar saber a história do lugar e visitá-los e vivenciá-los um pouco, eu achei que aqui era onde se encontrava o passado e o presente. Um passado não muito longe de guerras e um presente que demonstra grande poder em educação e tecnologia. Mas me enganei quando conheci Berlin. Essa sim é uma cidade que carrega o passado, o presente e o futuro. Tudo junto, em um só lugar. A-M-E-I! Sua história, suas ruas, sua língua. Me vi morando lá! Aiaiai...



Campo de concentração.



Muro de Berlin










Memorial Judeo
(feito de forma que você tenha a liberdade e a autonomia de entrar e sair a qualquer hora e de qualquer lado que você queira - um contraste com o que o povo Judeo sofreu)

Segunda parada: Frankfurt (aqui eu estava sozinha, a Lu foi para Verona)
Nada demais a cidade. É pequena, mas muito bonita. Foi interessante conhecer a cidade da União Européia!


Terceira parada: Nuremmmmberrrrrg
Confesso que achei que seria mais ou menos Frankfurt, sem sal ou açúcar. Mas teve muuuuito sal e muuuito açúcar. Me diverti muito, mesmo sozinha fisicamente, mas carreguei comigo muitos amigos e família o tempo todo. A cada momento me vinha uma lembrança.


Fui aonde se deu o julgamento de Nuremberg, dos militares condenados pela desumanidade ocorrida na época da guerra e dos campos de concentrações.



Museo do brinquedo. A memória olfativa me levou ao passado e me trouxe lembranças da minha infância.


Parque Playmobil. Meu amigo-irmão Bel esteve comigo em todos os momentos. Posso dizer que o via brincar como uma criança em todos os lugares! :-)







Cartão Postal


Quarta parada: Praga
Achei que fosse menor a cidade. Estava muito frio, mas completamente gostoso. Foi ótimo ir desmembrando as ruas desse lugar. E por horas que eu me transportava nos tempos remotos de castelos, cruzadas e que tudo era a pé, à cavalo ou de carroça.






quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Aquietação





Não estou muito de palavras...
Mas com certeza estou de imagens, pensamentos, esperanças, sonhos e realizações.