Everybody's free




Não sei se a solidão, se é o sentimento da falta de ter alguém aqui comigo, mas hoje você veio de novo rondar meus pensamentos. Tua figura, tua pessoa, teu jeito, tua personalidade, tua voz, teu tudo... Mas nem te conheço, quando por outro lado você demonstrou me conhecer quando me disse claramente que eu não deveria me envolver com você, você não era o tipo de pessoa que eu deveria namorar. Engraçado que por mais que fosse o meu desejo em estarmos juntos, não era namorar que eu queria, mas te passar quem eu sou, te mostrar o que eu sou capaz de fazer. Minha total intenção era de te dar o meu melhor no tempo que você me desse. Mas não tive. Meu desejo era que você se apaixonasse por mim, mesmo com os dias contados a estarmos juntos, mas a vontade era que você me visse não somente como única das suas ficadas, mas única na sua vida. Saberia conduzir-te a liberdade do sentimento, a viver por ti com o outro, sem amarras, somente o que sentisse. Esse orgulho que mora em mim, da minha unidade vir a participar do teu todo, pois sei que fui única na vida de alguns homens e queria você nessa lista. Parece que não foi assim, talvez você tenha sido a exceção da regra. Pena que não fui a exceção da sua, pelo menos assim acho eu, afinal da tua figura me sobram fotografias, do teu jeito me lembro do teu olhar que consome, da tua personalidade eu vejo o que pouco você quis mostrar, da tua voz eu lembro e relembro e remonto diálogos, do teu todo nada sei. E aí o que só vejo e sinto é o teu beijo, é foi o beijo!! O beijo e tuas mãos, duas coisas que não esqueço e nada mais...
Só não queria pensar tanto em ti, pensando que tu nada pensas em mim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entender vs. Compreender

Morte e Doença - Death and Illness

Pay it forward