domingo, 1 de abril de 2012

Nã não

Não é a noite que promete, mas a música que toca, a roupa que se usa, o perfume que se sente, os olhares que se cruzam.
Como não é o dia que espera, mas os minutos que passam, a ansiedade que bate, o trabalho que não acaba, o telefone que nem sempre toca, as amigas que nem sempre aparecem.

Não é a noite que encanta, mas a lua que chama, os sonhos que se desenrolam, as esperanças que crescem.
Como não é o dia que se imagina, mas as ações que cobram reações.

Na noite podemos ser quem quisermos ser, nossos sonhos acordados nos permite esse dom. Relembrar, refazer, reprogramar, (re)imaginar, assim como se quer, aonde for, como for.
Durante o dia nossos sonhos adormecem, e os desejos se encondem.

Nenhum comentário: