Briga de EGOS

E quem nunca teve a língua mais afiada do que o pensamento mais claro?
Quem nunca se arrependeu de ter dito o que disse?
Quem nunca desejou que tempo voltasse?
Quem nunca quis que as palavras pudessem ser esquecidas?

E nessa luta diária de línguas e palavras, e venturas e desgastes, e brigas e revezes
Todos perdem, ninguém ganha.
Nessa queda de braço, de palavras e de sentimentos
Nada de muito novo e quase tudo de muito velho

É o velho ego que grita
O orgulho que cresce
A vaidade que destrói

E ninguém ganha e todos perdem

E nos adentramos em um labirinto que quanto mais se fala, mais se perde
Quanto mais quer se falar, menos se quer ouvir
Quanto menos se entende, mais se discuti
E será que alguém se entende?

Dificilmente, pois quando se grita, os corações estão longe e ninguém verdadeiramente escuta.
E eis que aquele que abre mão da vaidade que mata, que anula, que destrói e que desfaz, é quem ganha.
E o labirinto formado desaparece, e os corações que estavam separados se unem.
As vozes que estavam mudas, resurgem...

E se abre um novo ciclo.

E sempre me ocorre na mente: Difícil não é chegar ao ponto, mas se manter nele.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entender vs. Compreender

Tradição

Morte e Doença - Death and Illness