segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Caminho e Direção


Um pensa e outro sente.

Um que sente, por vezes quer mandar, mesmo o que está dentro de si é chamado de loucura e desnecessário.
Outro que pensa, mesmo diante de tanta fúria, ainda consegue se controlar.
E penso, quem mesmo está mandando aqui?? 
Qual eu que comanda, se um quer ir para a direita, outro para a esquerda e meu desejo é o caminho do meio?!?

Caminho que cruzou com o teu.
Caminhou ao lado o quanto deu.
Quero poder correr o risco em dizer que por vezes foi quase um, o teu e o meu.
Sofreu e chorou.
Fez sofrer e fez chorar.

Sem muita certeza, colei o meu no teu e segui.
Mesmo com cuidado, deixei a peteca cair.
E quando menos sonhei, uma ilha entre nós apareceu.
E seu trem já havia partido.

Ainda no desejo em embelezar o trajeto, pensando que isso pudesse te atrair de volta, acabou mudando a direção.
Mudou a direção, querendo não sair da mesma linha.
Mas teu trajeto já havia feito a curva e nada o faria voltar.

E como prosseguir quando os caminhos já haviam sido separados?
Prosseguir da única forma possível: sozinho.

Quem sabe algum dia tu possas me responder o que realmente tenha se passado contigo.
Quando duas almas querem estar juntas, reconhecem momentos ao qual um caminho que caminha ao lado de outro caminho, por vezes que não apenas caminha, mas se apóia. Talvez tenha pedido demais, talvez não tenhas podido me dar mais. Mas quando pediu, eu te dei, mesmo quando não pediu, eu te dei.

Passe por aqui e veja que não desejo mal, apenas machucado coração, orgulho ferido, e sem entender o que aconteceu, penso que tu não tenhas compreendido o momento ruim passageiro. E ainda que a paisagem já estivesse um pouco mais bela, seu destino se desviou do meu. Ou simplesmente já não me querias mais pois nunca de verdade ficou para me amar. Afinal, o amor é reconhecido diante da dificuldade, da inutilidade, do desvelo e do desapego que apega.

O que desejo hoje é crer que tu saibas que mais adicionei do que subtraí. Que mais te ajudei do que prejudiquei. E mesmo diante de minhas fraquezas que não conseguistes lidar e confortar (e aqui, me perdoe meu comentário, não posso deixar de ver tua imaturidade e inexperência em lidar com os fatos, teu momento egoísta em pensar na tua vida, no teu destino, na tua felicidade e não na nossa); mas mesmo assim, gostaria que tivesse mais coisas boas a lembrar do que ruins. 

Para a lição que me foi passada, creio que foi aprendida. Se isso fosse para ser feito, então foi feito. O trem segue para um novo caminho. 

Nenhum comentário: