Eu acredito em finais felizes

Ainda que a vida continue e a morte seja uma passagem, que o nascer e o morrer permaneçam, eu acredito em finais felizes.
Ainda que a batalha não cesse, que o espírito esmoreça, eu acredito em finais felizes.
Ainda que o corpo canse, que a alma pereça, eu acredito em finais felizes.

O que há aqui dentro
O que carrego em mim
O que não há ser descrito
O que segue
O que não morre
O que se sente e não se fala
Me faz crer e saber em finais felizes.
Em todos os finais felizes.


E alimenta o que jamais morreu.

Dá esperança ao que jamais pereceu.
Revigora o que nunca se perdeu.

Esperar não seria a palavra, afinal aquele que luta e persevera, aquele que caminha e cresce não espera
E o que há de verdade e bom dentro de nós nunca morre.
Falar que o bom vence o mal é crer que o mal existe. É o mal que se transforma em bem? Não, é a ignorância moral, emocional que caminham lado a lado e o que se fantasiava de mal, desaparece. E por quanto me pergunto desses homens que causam o sofrer, o mal, o de ruim para eles, para nós e para todos, o que carregam dentro de si quando nada disso é o que permanece, quando nada disso é o vive, apenas sobrevive enquanto o egoísmo, a vaidade e a ignorância estão presentes. Irracional pensar que carregam dentro do peito tais sentimentos de angústias que os fazem agir de forma leviana e raivosa. Quando agem de forma desumana na busca incessante do bem estar, da satisfação e felicidade. Muitos agem ou reagem negativamente supondo que a calma momentânea será o alívio e resposta as suas preces. E quando este finito se encerra rapidamente a angústia volta a morar dentro de si. A paz e a calma não são levianas, não são interesseiras, não são superficiais. São reais, profundas e corajosas.
Engraçado em como palavras iguais empregadas de formas diferentes trazem figuras opostas a nossa realidade. Espero ter me apresentado de forma positiva nas palavras, afinal depor sobre sentir nunca é fácil.

Vidas reais, sentimentos difusos, momentos passageiros que perpetuam o eterno.
Como descrever meu saber quando cremos diferente?

Por vezes me pergunto que homens são esses que multiplicam sua infelicidade na ignorância própria e alheia??

E confesso que uma única vez me tiraram do peito o crer na bondade do espírito, na perfectividade da alma, na evolução do ser. E assim disse a mim mesma que jamais me permitiria que isso ocorresse novamente. E a vida me mostra que tenho passado no teste. Mesmo na decepção, na dor e na dúvida, cresce meu saber. E isso ninguém tem a capacidade de tirar de mim. Pois não apenas está em mim, mas o é.
E eu acredito em finais felizes, o sol bate em meu rosto, um sorriso em agredecimento e a vista está mais bela.
Obrigada!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entender vs. Compreender

Tradição

Morte e Doença - Death and Illness