Inimigos Públicos

Quem não conhece aquele que luta contra sua própria nação?
Uma pessoa que ao invés de cumprir seu dever cívico, coloca sua alma sob a sombra do inferno, achando que seus pecados jamais serão descobertos.
E ainda por mais que me condiciono a crer que seja por conta da ignorância que fazem mal a multidão, ainda me ponho a perguntar: - Por quê fazem isso? Se nem ao menos terão tanta vida para desfrutar de tanta grana perante a corrupção. Por quê não há um limite? Se nem ao menos a morte lhe parecem um castigo. Até vejo que os pobres, os pobres mesmos, aqueles que nem mesmo têm o que comer, aqueles que nascem no meio da sujeira, da fome, da injustiça, que nascem com a arma na mão. Talvez estes pode-se dizer que têm oportunidades limitadas. A estes, o horizonte parece mais curto, logo, nossas vidas a eles nada servem. Ainda mais diante da impunidade crescente. Posso ver que com eles, o nascer de mais um dia é o verdadeiro presente. Mas e daqueles que hoje dormem em berço de diamante as custas da saúde, da vida, da segurança, da vida, da educação, da vida, do trabalho, da vida de estes outros que escrevem, que sonham, que batalham, que acordam, que pagam impostos. Qual seria a desculpa destes por derramarem sangue sem puxarem o gatilho? Tanta impunidade nas extremidades, que vão apertando o cerco de quem está no meio.
Hoje li uma matéria - http://www.empiricus.com.br/o-fim-do-brasil/ autor Felipe Miranda - que fala em como nosso país esta a beira de um colapso econômico. Nesta reportagem, mostra os índices de desenvolvimento do país nos últimos 20 anos, desde que foi criado o plano real. Ao qual deu ao Brasil uma real oportunidade de crescimento. Veja, não quero defender nenhum partido, nenhum presidente, apenas demonstrar em como alguns se propuseram a melhorar o destino da nação, enquanto outros, apenas tiveram o intuito de ficarem bilionários (sim, a cifra é esta, veja a figura abaixo), enquanto faziam um país inteiro morrer. 

Imagem retirada da reportagem de Felipe Miranda

O plano real surgiu, e com ele a crença de o Brasil podia finalmente sair do vermelho e ser uma nação confiável. E lá se foi. Mesmo com uma falta de atenção a educação, ao professores, porque isso sempre faltou em todos os governos, ainda sim a economia crescia. Não sofríamos tanto com a inflação e estávamos crescendo. Até que em 2004 o partido da oposição entrou no poder. E como em todos os aspectos, o resultado de um ato leva um determinado tempo a colher seus frutos, óbvio que o primeiro governo Lula floresceu. Mas diante da luta de governos anteriores, como de Jucelino, que abriu as portas para os estrangeiros. Como Getúlio que fez o salário mínimo a fim de equiparar mão de obra, A busca do petróleo começou a há mais de trinta anos atrás. O bolsa família foi feito com FHC, entre tantas outras coisas. Mas aí, a oposição além de aproveitar os frutos de plantios anteriores, estava matando o terreno. E hoje temos que lidar novamente com a inflação mais alta do que o previsto. Números de desempregados crescendo, áreas de indústria fechando. Valores de crescimento econômico abaixo do que dá Rússia e de países Africanos. Estou com medo... muito medo. Será necessário décadas para recuperar o que foi destruído nesta última. Pois o que foi morto, assassinado, foi além do que o plano real pôde erguer. E para nascer destas cinzas, o gigante que tanto falam, terá que se unir de uma vez por todas. Sem mais jeitinho brasileiro. Terá que haver lei, não apenas somente no papel. mas também na execução. A alma do brasileiro que não desisti nunca, terá que se abranger para os seus irmãos de sangue e de pátria. Não há mais espaço para aquele que pensa apenas em si. Não mais chance para aquele que quer o seu e que se dane o do outro. Será que ainda não entenderam que ninguém vive só? Será que ainda não compreenderam que precisamos uns dos outros??
É este o país que você quer ver de novo?? - imagem retirada da reportagem de Felipe Miranda
E qual é a diferença entre nós e os país que sobrevivem à crise? Dos países que reergueram do pó? Eles amavam seu país, sua pátria. Honravam sua bandeira. Não sacaneavam seus compatriotas. Não ferravam seus filhos. E faziam a lei funcionar. A reorganização da casa tem que ser de dentro para fora. Mas temos que querer, que crer, que saber, que conhecer, que lutar. E permanecer na luta. Pois os resultados do plantio demoram, mas eles acontecem.
E em um país de crença, se deveria ainda mais ter medo da corrupção, do que se faz de errado. Pois se há a crença em um Deus. Seja ele qual for, ele pude de uma forma ou de outra. Para uns é o inferno, para outros o purgatório. Para outros o vale das sombras. E mesmo para aqueles que não creem em nada. Será que não lhe valem nem um pouco da consciência?!?! Só sei que ainda leva tempo e não podemos desanimar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entender vs. Compreender

Morte e Doença - Death and Illness

Pay it forward