quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Gestos que saem do coração

A mão arruma o cabelo, a alça do sutiã ou limpa o cantinho da boca que estava com sorvete ou maionese.
Aquele toque pelo braço sem pressa e sem angústia, pois conhece a maturidade do sentimento que compartilham.
E talvez o prazer da carne não á apenas o gozar, mas o estar junto, se entregando ao outro, se conectando pelos poros.
E talvez este prazer já havia ocorrido e talvez por isso o toque no seu tempo, a respiração contínua, os olhares recíprocos.
Sorrisos sinceros, daqueles que iluminam o rosto.
E tudo o que normalmente acontece, acontece como em uma dança.
Parceiros se conhecem, se auto-conhecem, se respeitam, se amam, se entregam.
E dali, após terminado aquela refeição, pagaram a conta, ele como um exemplo de cavalheiro, deu passagem, abriu a porta, se deram afora, e ele ainda se mostrando atencioso, pediu o taxi para ela. Ali, aos olhos de todos, se despediram com um beijo simples, de intimidade de casal, mas ao mesmo tempo cheio de carinho, afeto e confiança que ela iria embora pensando nele e ele nela.
Gestos do coração, Gestos sinceros do coração, Gestos sinceros de um coração sincero, Gestos sinceros de entrega de um coração que foi entregue, Gestos que enlaçam, que acolhem, que alcançam patamares para poucos... muito poucos.

partes das ideias escritas foram extraídas da revista Cláudia - 02/2015 - coluna de Danuza Leão.

Nenhum comentário: