Pais e filhos

Nascemos, nem sempre de desejos emocionais, mas sempre de desejos carnais.
E crescemos, nem sempre de vontade, mas sempre de obrigação.
E esse percurso passa rápido.
Pais e filhos em uma simbiose constante que mesmo com a morte de um, o elo permanece.
Uma relação existente, sejam pais presentes ou ausentes.
Diversas situações que mesmo dentro de um quadro de ações cômodas constantes, nos leva a inconstância do sentimento. Cutucadas propositais ou inconscientes, geram desconfortos transitórios.
E nessa vida passageira, há momentos eternos que marcam. Hábitos que moram no dia a dia, podem matar atitudes que seriam positivamente modificadoras.

E o que ainda quero dizer sobre tudo isso?

Que pais que foram filhos, acham que podem corrigir o erro de seus pais, agindo de forma antagônica ou apenas de forma diferente. Mas esquecem, que a lista do que precisa ser aprendido, ainda é maior do que a lista do que já foi aprendido. E aí, ainda temos mais erros a cometer.
E não apenas isso, mas a forma como nossos pais, por certo, ainda são e sempre serão filhos, devido a falta de perfeição moral. Filhos da vida e da experiência. E quando acham que aprenderam a lidar com os filhos, lá vem os filhos e mudam de casa ou atitude ou escolha e aí os pais voltam a ser filhos em aprendizado. E nós juntos à eles, vamos somando este número. O que se agrava ainda mais quando os pais se sentem livres de educar os filhos e voltam a agir como crianças que perderam a infância, pois tiveram que se resguardar como pessoas, para serem pais. Mas esquecem que família não é uma coisa temporária, é eterna. E mesmo que os bebês já sabem comer, se vestir e tomar banho, ainda há uma comunhão de ações responsáveis a serem seguidas, respeitadas e trocadas.
Infelizmente, que hoje em dia, pais esquecem o que é ser um educador. E deixam seus filhos a merce das escolas os educarem. Escola é instrução, não educação. Pais que por falta de moral, não chamam a atenção de seus filhos. Pais ausentes, que pelo sentimento de culpa, não chamam a atenção de seus filhos. Pais que não se vêem no direito de chamarem a atenção dos filhos, pois não podem pagar a escola ou faculdade do filho. E aí os filhos que já não são mais filhos, não se sentem filhos pois não aprenderam a respeitar os pais. Filhos que crescem sem o valor da família. Filhos que xingam... filhos que maltratam... filhos que gritam... filhos que não são filhos...
E fui ouvindo Legião...



"Estátuas e cofres e paredes pintadas
Ninguém sabe o que aconteceu
Ela se jogou da janela do quinto andar
Nada é fácil de entender
Dorme agora
É só o vento lá fora
Quero colo! Vou fugir de casa
Posso dormir aqui com vocês?
Estou com medo, tive um pesadelo
Só vou voltar depois das três
Meu filho vai ter nome de santo
Quero o nome mais bonito
É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanhã
Porque se você parar pra pensar
Na verdade não há
Me diz, por que que o céu é azul?
Explica a grande fúria do mundo
São meus filhos
Que tomam conta de mim
Eu moro com a minha mãe
Mas meu pai vem me visitar
Eu moro na rua, não tenho ninguém
Eu moro em qualquer lugar
Já morei em tanta casa
Que nem me lembro mais
Eu moro com os meus pais
É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanhã
Porque se você parar pra pensar
Na verdade não há
Sou uma gota d'água
Sou um grão de areia
Você me diz que seus pais não te entendem
Mas você não entende seus pais
Você culpa seus pais por tudo, isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser
Quando você crescer"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entender vs. Compreender

Tradição

Morte e Doença - Death and Illness