quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Vou me casar!!


E houve aqueles que diziam que este dia chegaria.
Que haveria aquela pessoa a qual teria certeza do meu destino.
Com quem posso e poderei contar sempre.
Esse alguém que a cada dia por vezes me surpreende por sua paciência e conduta.
Alguém que realmente me desafia diariamente a ser uma pessoa melhor, superar de fato meus limites.
Um homem companheiro, um homem de palavra.
Um ser humano de falhas, que mais acaba sendo acertos do que erros.
E conto que desde o primeiro dia houve o reconhecimento da escolha - irei me casar com ele! rs
E aqui estamos, preparativos, decisões, sempre diálogo (e nunca houve uma discussão).
Simplesmente feliz por fechar o ciclo e me preparar para um novo caminho... uma nova vida talvez. 
Agradeço todos os dias por ele ter me encontrado.
Agradeço todos os dias por ter o pacote completo, pessoa, família, sogra do céu na terra, emprego, moral, respeito, saúde, diálogo, companheirismo, paixão, amor, amor, amor... e todos os dias a escolha é sempre a mesma sem nenhuma dúvida: é ele!
Sempre me achei peça rara pelas escolhas e passos dados. Sempre me achei do avesso quando todos caminhavam de verso. Sempre achei única e muitas vezes estranha e sozinha. E hoje entendo perfeitamente tudo o que está no meu passado. E abraço todas as minhas escolhas com confiança de que fiz o que pude, talvez não tenha feito o melhor, mas fiz por escolha o que me trouxe até aquele momento que deu oportunidade em recebê-lo na minha vida e chegarmos aqui e com certeza vamos adiante.
Pai, obrigada por suas bençãos. Que possa se estender sobre todas as pessoas...
Amém!

O que é de Deus

Outro dia no centro espírita Lírio Branco, assistindo a uma palestra, ali me chegou aos ouvidos que o sentimento de culpa é nosso, pois para Deus tudo está o.k.. E assim fiquei divagando sobre quantos outros sentimentos que estão em nós, não são nós... pois realmente, para deus, tudo está bem, tudo o que escolhermos está tranquilo. Ele na sua sabedoria divina sabe que em um determinado momento dentro do infinito chegaremos ao nosso objetivo, que ainda não sei bem qual o é. Alguns falam que é perfeição. Mas se partirmos do princípio que somos filhos d'Ele, que é perfeição e que apenas o que faz é perfeição, seria incoerente crer na nossa imperfeição. Sendo assim, como em outro momento aprendi que somos perfectíveis. Na verdade a falha vem da ignorância conforme nosso nascimento. assim como a maldade, que é a ignorância. Ainda não me ocorreu quais os graus, níveis e áreas de ignorância podemos atingir. Afinal, há seres inteligentíssimos que trabalham nas trevas, buscando sempre o sofrimento alheio.
Mas voltando ao que está em nós, mas não é nosso... é a culpa. Sempre teremos novas chances e oportunidades. Sempre teremos lições, exemplos, recomeços. Nada fácil pode-se dizer, mas gratificante e recompensador.
Pena que a palestra não foi das melhores. Espero que tenha atingido melhor os ouvidos e almas do que imagino. Outro desafio, falar a língua dos homens... pois a dos anjos, não são ditas e sim cantadas.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

É pelo comportamento

É pelo tempo, pelo comportamento, pelo exemplo.
Não é somente pela palavra, pela promessa, pela compreensão.

Antigamente, os ricos eram tidos como exemplos de vida, de almejo, de objetivo de vida.
Com o passar dos anos, das décadas, as pessoas ficaram cansadas de disfarçar o que acontecia em qualquer classe social. Assim, as pessoas menos favorecidas financeiramente viam que até aqueles que eram invejados cometiam os mesmos erros, os mesmos pecados. Se inverteram valores, ou por certo, se mostraram os valores que cada carregava nos corações. Aqueles com poucas opções passaram a ganhar mais espaço, mais ganho, mais vida, mais peso, mais conhecimento. Aqueles que de berço de ouro, pouco galgaram a mais ou o mesmo que os seus pais. E os valores ainda caminhando na contra-mão.
Hoje em dia, sendo rico ou pobre, é pelo exemplo, pela conduta, pelo comportamento que nos tornamos ricos no prazer, na moral, na felicidade. Sendo reconhecidos pelo bem que carregamos na alma. Infelizmente há ainda aqueles que não enxergam possibilidades na vida. Se entregam a morte vivida, as vezes a morte morrida ou a morte matada.
Vemos pais serem negligentes com seus filhos.
Vemos filhos serem desrespeitosos com seus pais.
E viver em comunidade é difícil.

Mas é na passagem do tempo, no exemplo de conduta, na permanência do comportamento que conseguiremos mudar o mundo. E ainda que desejos de conversar, é na perseverança das ações que conseguimos alterar o curso da nossa jornada.

E assim caminha a humanidade.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Aonde você quer chegar?

Ainda há tantas coisas para serem aprendidas...
E uma delas é esta: Aonde quero chegar?
Há tantas possibilidades de escolha. Veja, opções de escolha e até mesmo de caminho, mas o objetivo único que estamos destinos é um só.
Talvez eu tenha outras opções profissionais. Não estou mais na casa dos vintes, mas mesmo no começo dos 30, acho que ainda posso arriscar. 
E lá se vão ainda mais escolhas e opções.
E minha cabeça ferve, literalmente ferve... meu estômago como nunca queimou. 
Nem tanto pela opções, pois creio estar cada vez mais consciente das minhas escolhas e estou feliz com elas, mas mais pela forma que temos lidar com as pessoas, a forma como as pessoas reagem as nossas escolhas. E é sempre este o desafio, as pessoas, o seu próprio ser, sua personalidade. 
E nisso sei perfeitamente aonde quero chegar.
Como já descrevi aqui, há dias que consigo matar o leão, em outros, apenas o prendo, e houve ainda um e outro dia neste ano que ele ficou solto, chorei e chorei e chorei... mas graças que Deus é sempre muito bom comigo e logo que passa meu desespero momentâneo - este têm ficado cada vez menor, cada vez com menos intensidade, acho que pelo aprendizado recebido - lá vejo a luz, o sol, o arco-íris, o amor, o afeto, a compreensão, a lição.
E por certo que vale saber aonde que queremos chegar.
Veja, para coisas materiais sempre haverá um limite, para coisas da alma não.

A executiva bem sucedida

Foi tudo muito rápido. A executiva bem-sucedida sentiu uma pontada no peito, vacilou, cambaleou. Deu um gemido e apagou. Quando voltou a abrir os olhos, viu-se diante de um imenso Portal.
Ainda meio zonza, atravessou-o e viu uma miríade de pessoas.Todas vestindo cândidos camisolões e caminhando despreocupadas. Sem entender bem o que estava acontecendo, a executiva bem-sucedida abordou um dos passantes:


- Enfermeiro, eu preciso voltar urgente para o meu escritório, porque tenho um meeting importantíssimo. Aliás, acho que fui trazida para cá por engano, porque meu convênio médico é classe A e isto aqui está me parecendo mais um pronto-socorro. Onde é que nós estamos?
 - No céu. - No céu?... - É. 
- Tipo assim... o céu, CÉU...! Aquele com querubins voando e coisas do gênero?
- Certamente. Aqui todos vivemos em estado de gozo permanente. 
Apesar das óbvias evidências: nenhuma poluição, todo mundo sorrindo, ninguém usando telefone celular, a executiva bem-sucedida custou um pouco a admitir que havia mesmo apitado na curva. 
Tentou então o plano B: convencer o interlocutor, por meio das infalíveis técnicas avançadas de negociação, de que aquela situação era inaceitável. Porque, ponderou, dali a uma semana iria receber o bônus anual, além de estar fortemente cotada para assumir a posição de presidente do conselho de administração da empresa.
E foi aí que o interlocutor sugeriu:
 
- Talvez seja melhor você conversar com Pedro, o síndico.

- É? E como é que eu marco uma audiência? Ele tem secretária? - Não, não. Basta estalar os dedos e ele aparece. - Assim? (...) - Pois não? 
A executiva bem-sucedida quase desaba da nuvem. À sua frente, imponente, segurando uma chave que mais parecia um martelo, estava o próprio Pedro. Mas a executiva havia feito um curso intensivo de approach para situações inesperadas e reagiu rapidinho:


- Bom dia. Muito prazer. Belas sandálias. Eu sou uma executiva bem-sucedida e...

- Executiva... Que palavra estranha. De que século você veio? - Do 21. O distinto vai me dizer que não conhece o termo 'executiva'? - Já ouvi falar. Mas não é do meu tempo.

Foi então que a executiva bem-sucedida teve um insight. A máxima autoridade ali no paraíso aparentava ser um zero à esquerda em modernas técnicas de gestão empresarial. Logo, com seu brilhante currículo tecnocrático, a executiva poderia rapidamente assumir uma posição hierárquica, por assim dizer, celestial, ali na organização.


- Sabe, meu caro Pedro. Se você me permite, eu gostaria de lhe fazer uma proposta. Basta olhar para esse povo todo aí, só batendo papo e andando à toa, para perceber que aqui no Paraíso há enormes oportunidades para dar um upgrade na produtividade sistêmica.

- É mesmo?

- Pode acreditar, porque tenho PHD em reengenharia. Por exemplo, não vejo ninguém usando crachá. Como é que a gente sabe quem é quem aqui, e quem faz o quê?

- Ah, não sabemos.
 - Entendeu o meu ponto? Sem controle, há dispersão. E dispersão gera desmotivação. Com o tempo isto aqui vai acabar virando uma anarquia. Mas nós dois podemos consertar tudo isso rapidinho, implementando um simples programa de targets individuais e avaliação de performance. 
- Que interessante...

- É claro que, antes de tudo, precisaríamos de uma hierarquização e um organograma funcional, nada que dinâmicas de grupo e avaliações de perfis psicológicos não consigam resolver.

- !!!...???...!!!...???...!!!

- Aí, contrataríamos uma consultoria especializada para nos ajudar a definir as estratégias operacionais e estabeleceríamos algumas metas factíveis de leverage, maximizando, dessa forma, o retorno do investimento do Grande Acionista... Ele existe, certo?

- Sobre todas as coisas.

- Ótimo. O passo seguinte seria partir para um downsizing progressivo, encontrar sinergias high-tech, redigir 
manuais de procedimento, definir o marketing mix e investir no desenvolvimento de produtos alternativos de alto valor agregado. O mercado telestérico, por exemplo, me parece extremamente atrativo. 
- Incrível!

- É óbvio que, para conseguir tudo isso, nós dois teremos que nomear um board de altíssimo nível. Com um pacote de remuneração atraente, é claro. Coisa assim de salário de seis dígitos e todos os fringe benefits e mordomias de praxe. Porque, agora falando de colega para colega, tenho certeza de que você vai concordar comigo, Pedro. O desafio que temos pela frente vai resultar em um Turnaround radical.

- Impressionante!

- Isso significa que podemos partir para a implementação?

- Não. Significa que você terá um futuro brilhante... se for trabalhar com o nosso concorrente. Porque você acaba de descrever, exatamente, como funciona o Inferno...


Max Gehringer
(Revista Exame)

terça-feira, 4 de agosto de 2015


There are moments we are down... fortunately there are people who put us up!
I'm so glad and happy for those, especually because they have happened all the time in my life.
This video was sent to me by a dear friend. A gift who as others came silent to my side, and makes a huge difference in my life. We have been sharing experiences since the first day we've met. 
It's just wonderful to share our lives to who appreciate it.
Carol, it's for you this post.
You are unique... in everything you do.

Do que falam que salva

Perdoar.
Uma palavra como outra qualquer com maior responsabilidade a quem sabe o que significa.
Ainda tão pequenos e pouco esclarecidos para viabilizar a ação.
Talvez uma ideia do possível. Um sonho da realização.
Fala que quem ama perdoa. 
Mas ainda falam tanto e fazem tão pouco,
Sim, aquele que faz o bem é o primeiro que recebe o bem.
Perdoar é preciso. Perdoar é necessário.
E aí hoje pensei, aquele que realmente sabe perdoar, sabe perdoar a todos ou a tudo?
Aquele que já perdoou alguma vez, se julgou maior que outros?
E quando conseguirmos perdoar, será cada ato de uma vez ou aquela avalanche de conhecimento?
Não sei se foi o perdão ou a aceitação, mas já não me culpo mais por algumas coisas. Outras aprendi a respeitar, outras a ver de forma diferente. Qual é a verdade, ainda não sei, mas sei que neste ínterim quero ser feliz, não deixar de ter problemas, mas aprender a lidar com eles. A confiar e não acusar.
Tantas coisas...
Enfim, faço de bom grado, e quando não faço, sei que estou errada e o peito grita, dói... e forço o quanto posso a fazer, mesmo que me sinta contrariada, pois sei que ali estou a aprender. E peço e rogo a Deus, por favor, que eu seja merecedora de virtudes, mas me livrai de qualquer uma delas se ainda me atrair mais diferença do que entendimento. Me livrai do mal quando não posso vê-lo. Me ensina a tomar conta do caminho, pois é a jornada que traz felicidade. Zele pelos meus queridos, por todos eles... e que um dia, eu possa perdoar ou simplesmente entender melhor o todo da ignorância.