segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Papel

Que seja o papel que lhe tenha sido dado.
Seja mãe se assim lhe foi confiado.
Seja pai se assim que foi ofertado.
Seja filha(o) se assim que está o papel empregado.

Por hora tomamos uma roupa que não é nossa. E por não nos pertencer, esta fica mais larga ou mais apertada de acordo com nosso certo papel a ser empregado.

Toma tempo até as coisas se descobrirem assim.
Toma tempo até cada qual com sua responsabilidade realizar apenas o que lhe é devido.

Nesta transição, há quem faça mais e por vezes muito mais do que deve e quem faz menos e até bem menos do que deveria. E nisso se desequilibra o mundo.

Seja filha quando é filha e seja mãe quando mãe.
Seja amiga para ombro amigo e não solução de problemas.
Seja companheira para apoiar e não solução de enigmas.

'Cada macaco no seu galho' e ninguém se cansa.
Cada um carregando a sua cruz que é de tamanho devido.
Nem mais e nem menos... e assim vamos seguindo.

Nenhum comentário: