Eu sou o dragão!

Parafraseando uma passagem do livro Narnia - The Voyage of the Dawn Treader...

E por hora que me sentia segura, e ao mover meu braços direito, vi um dragão e então resolvi mexer o braço esquerdo e notei que havia outro dragão. Quando achei que podia, corri o mais que pude para chegar a beira da lagoa e ao me deparar com o reflexo da minha visão, então notei que não haviam dois dragões, apenas um e que era eu mesmo.
Não entendi por que isso ocorrera comigo, não entendi disso acontecer comigo. Pensei nas pessoas na baía e deveria ficar feliz na minha atual conjuntura, que poderia os enfrentar sem medo, afinal, quem poderia deter um dragão?! Mas foi a tristeza que tomou meu coração, pois não queria batê-los, mas sim sua amizade, seu carinho, seu acolhimento...
E depois de dias uma imagem de uma leão veio em minha direção, e seria engraçado dizer que tive medo daquele ser menor do que eu, mas não era medo, mas receio, uma sensação de apreensão. E ele me levou para um lago e disse que eu precisava me banhar, mas que antes precisaria me despir. E horas, eu em forma de dragão não havia vestimenta. Mas por minhas garras fui me desfazendo de minhas escamas, de minha pele, de minha armadura. Passou uma, duas, três vezes me despindo e ainda havia a casca a cobrir meu corpo quando o leão disse para eu entrar na lagoa que ele me banharia. Ainda que com as suas garras, não foi o que me feriu, mas a perda da minha última vestimenta, a que me traria minha forma humana de novo. E assim deixei de ser o dragão e voltei a ser um ser humano.

Que passagem mais linda deste livro. Que lição! Que sublimação de caracteres, de personagens, de mensagem... E ao terminar esta passagem, me vi sendo o dragão, a eliminar quantas camadas necessárias para que me torne um ser melhor. E sem dúvida nenhuma com ajuda divina! rs

Que lindo...
Lindo!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entender vs. Compreender

Morte e Doença - Death and Illness

Pay it forward