Perdão

Haviam dois prisioneiros de guerra que foram soltos após alguns anos em cativeiro.
Passaram-se mais alguns anos e se encontraram e um deles perguntou:
- Você perdoou as pessoas que nos fizeram mal?
- De jeito nenhum!!! Todos os dias eu lembro o que eles me fizeram e desejo que sofram o mesmo o que eu sofri, jamais os perdoarei.... e você?
- Sim... eu os perdoei pois não gosto de prisões.

E aí te pergunto: - quem é que nos prende? - quem é que dita nossos valores?

Respire mais...
Pense mais...
Reflita mais...
Ouça mais...
Fale menos...
Imagine menos (do outro)...
Espere menos...

Hoje aprendi coisas novas, e revi conceitos.
Aprendi que todos carregamos todos os sentimentos nas costas.
Que devemos primeiro trazer os nossos a luz, nossos sentimentos de luz e de sombra, de paz e de guerra.
Só assim talvez possamos compreender que o outro é tanto quanto perfectível e passível de erros como nós mesmos.

Perdoar não é apenas excluir a pasta da ofensa da área de trabalho, mas é deletá-la também da lixeira. É não restaurar um sentimento, um momento, uma ação que ocorre por ignorância. Cada qual entende conforme seu grau de evolução... não podemos dar o que não temos e nem exigir o que o outro não tem.

Seja você a mudança que quer ver no outro, afinal, a única pessoa que você tem o poder de mudar é a si mesmo.

#ficaadica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entender vs. Compreender

Tradição

Morte e Doença - Death and Illness